• Entrar
  • Cadastrar
Como os temidos inspetores do Guia Michelin agiram no Rio e em São Paulo durante 9 meses para decidir quem merece as sonhadas estrelas – o resultado sai na segunda-feira!

O Guia Michelin visitou restaurantes brasileiros para nova edição (Créditos: Shutterstock)

O Guia Michelin é conhecido pelas suas avaliações criteriosas dos melhores restaurantes do mundo. Diferentemente de prêmios como o The World’s 50 Best Restaurants que avaliam em rankings, o Michelin é realmente um guia local com restaurantes para se comer, com os melhores deles indicados como uma das desejadas estrelas. Em maio de 2024 será lançada a 7ª edição no Brasil, com restaurantes das cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo, quando novas estrelas podem surgir por perto.

A nova edição é a primeira desde 2020, quando as avaliações foram interrompidas por causa da pandemia do COVID-19, e voltaram aos estabelecimentos daqui em 2023. Ao todo no Brasil 13 restaurantes receberam uma ou duas estrelas Michelin, mas ainda nenhum com três. Será que sai agora? Para entender se existe essa chance e por que as estrelas são tão importantes, descubra no TudoGostoso como os inspetores do Guia Michelin agiram nos meses de avaliação no Brasil.

Como os inspetores do Guia Michelin avaliam restaurantes?

Para saber como o Guia Michelin funciona, é bom entender como ele surgiu. Inicialmente a revista era um guia de viagens francês, feito para estimular as pessoas a fazerem viagens de carro e usarem mais os pneus da marca. Além de indicar restaurantes com descrições do local, os melhores ainda eram indicados por até 3 estrelas. Uma estrela indica que vale a parada na viagem, duas estrelas significa que vale fazer um desvio no caminho para comer e três estrelas é dado para restaurantes que valem fazer uma viagem só para conhecer ele.

Por causa das avaliações criteriosas de alto padrão feitas por inspetores, o Guia Michelin ganhou fama de ser uma boa referência para bons restaurantes, e hoje é muito mais do que um guia de viagem. Mesmo assim, o significado de cada uma das estrelas é o mesmo e a seriedade do processo também. Hoje em dia os restaurantes também podem ganhar o selo Bib Gourmand, de comida acessível de qualidade, e o selo verde de sustentabilidade.

Os guias são sempre locais e se expandiram para além da França. Em 2015 ele chegou ao Brasil pela primeira vez, enquanto em outros é mais recente, como a Argentina que teve o seu primeiro Guia Michelin em 2023. A metodologia é igual em todo o mundo: os inspetores especialistas de 15 nacionalidades visitam centenas de restaurantes anonimamente e discretamente, fazem uma refeição e depois escrevem suas avaliações, compiladas e discutidas entre eles em seguida. É um processo demorado, que no Brasil começou 9 meses atrás e precisou de muitas visitas antes de chegarem a um veredicto, digulado em 20 de maio de 2024.

Eles avaliaram os restaurantes segundo cinco critérios: qualidade dos produtos, domínio do sabor e das técnicas, atitude do chef na cozinha, relação custo-benefício e consistência. Ambiente e atendimento de garçons não são considerados diretamente. Como a consistência é um ponto importante, especialmente para ganhar duas estrelas ou mais, os inspetores podem ter feito mais de uma visita ao mesmo restaurante em meses separados.

Por que só Rio de Janeiro e São Paulo?

Todo brasileiro sabe como a comida brasileira é deliciosa em todos os cantos do país, então por que o Guia Michelin só fica no Rio de Janeiro e em São Paulo? O principal motivo é a logística. O Brasil é um país continental e levar dezenas de inspetores a milhares de restaurantes por aqui é inviável, então eles preferem focar em regiões.

Não é apenas no Brasil que é assim. Nos Estados Unidos são feitos guias para certas cidades, como Nova Iorque e São Francisco. No Japão tem uma edição para Tóquio e outra juntando Quioto e Osaka. O guia dos nossos vizinhos argentinos é parecido com o nosso, com estabelecimentos de Buenos Aires e Mendoza. Por isso que, até o momento, o Guia Michelin do Brasil é feito apenas em duas cidades, na edição recente com apoio das Secretarias de Turismo de ambos lugares.

E mesmo nelas são poucos os restaurantes visitados e mencionados no guia. Na última edição, de 2020, eles foram a 145 restaurantes e, apesar de menos de 10% serem estrelados, a simples menção aumenta a renome e a clientela. Os inspetores tipicamente vão a restaurantes conhecidos e com potencial de responderem aos critérios. Qualquer pessoa também pode enviar indicações para seus restaurantes favoritos entrarem nas próximas avaliações.

Veja mais:
Dica de viagem: descubra restaurantes brasileiros entre os melhores do mundo e veja onde ir para um jantar romântico ou uma refeição em família
“É o meu prato de domingo à noite”: chef com três estrelas Michelin revela a receita da qual não enjoa e o segredo para prepará-la!
Já pensou pagar R$750 para comer pão? É o que um restaurante estrelado está cobrando! Entenda por quê

Temas relacionados